A amamentação pode evitar a retomada do tabagismo no pós-parto

Este slideshow necessita de JavaScript.

Enquanto um grande número de mulheres para de fumar ou reduz o tabagismo durante a gravidez, muitas voltam a fumar no pós-parto. Pesquisas anteriores já haviam estimado que aproximadamente 70% das mulheres que param de fumar, durante a gravidez, têm uma recaída no primeiro ano, após o parto, e daquelas que têm a recaída, 67% fumam por até três meses e 90% fumam por até seis meses.

Um novo estudo, publicado no Nicotine & Tobacco Research, indica que o único preditor significativo na mudança de comportamento de mulheres fumantes, durante a gravidez, era o fato de elas amamentarem. As mulheres que amamentaram seus bebês por pelo menos 90 dias fumavam menos, nos meses após o parto, do que as mulheres que amamentaram, por um curto período de tempo ou que não amamentaram de forma alguma.

Para chegar a essas conclusões, os pesquisadores acompanharam 168 mulheres que eram fumantes, durante a gravidez, de suas primeiras consultas pré-natais até nove meses após o parto. Os pesquisadores analisaram a amamentação, o uso de outras substâncias, e se os parceiros eram fumantes, a fim de ajudar a determinar possíveis preditores de mudanças nos hábitos de fumar.

Os pesquisadores descobriram que as mulheres retomaram mais da metade dos seus níveis de consumo de tabaco nove meses após o parto. Embora as mulheres tenham diminuído o consumo de tabaco em toda a gravidez, nos nove meses de pós-parto, elas aumentaram substancialmente a sua cota de tabagismo.

O aumento do consumo de tabaco, depois do nascimento de uma criança, pode ter efeitos nocivos sobre a saúde da mãe e da criança, que está em maior risco de exposição à fumaça ambiental do tabaco. O aleitamento materno parece ser um fator de proteção contra o aumento da cota de tabagismo após o parto, assim as intervenções devem educar as mulheres sobre a amamentação para maximizar a eficácia dessa ação protetora. Apoiar as mulheres a amamentarem, por pelo menos seis meses exclusivamente, pode ter benefícios, em longo prazo, em termos de redução do tabagismo.

Consumir cafeína durante a amamentação pode prejudicar seu bebê?

Os bebês não são capazes de metabolizar ou excretar a cafeína muito bem, então o consumo de cafeína por uma mãe que amamenta pode levar à acumulação da substância no organismo do bebê e a sintomas como insônia e irritabilidade, de acordo com uma entrevista com o especialista Ruth Lawrence, publicada no Journal of Caffeine Research.

A cafeína é encontrada em uma ampla gama de produtos além do café. Ela está presente no chá, no chocolate, nos refrigerantes, nas bebidas esportivas, e alguns medicamentos vendidos sem receita médica. Em uma discussão provocativa com Ruth Lawrence, o profissional responde a uma série de dúvidas comuns: existe um nível seguro de consumo de cafeína durante a amamentação? Existem potenciais efeitos, em longo prazo, da exposição à cafeína sobre o desenvolvimento e o intelecto? Pode um bebê, cuja mãe consumiu cafeína durante a gravidez, experimentar uma crise de abstinência, quando a substância é retirada durante a amamentação?

Lawrence baseia suas respostas nas evidências científicas e médicas relacionadas à exposição à cafeína em crianças amamentadas, e distingue entre o que é e o que não é bem compreendido neste campo em desenvolvimento de estudo.

Normalmente, uma mãe, especialmente se ela estiver amamentando, deve limitar sua ingestão de cafeína. Após o parto, as mães devem consumir todas as coisas com moderação e tentar evitar os excessos que podem adicionar cafeína à sua dieta.

 

Amamentação e a Sustentabilidade: evento para profissionais de saúde celebra a Semana Mundial de Aleitamento Materno

Este slideshow necessita de JavaScript.

Entre 01 e 07 de agosto, celebraremos a Semana Mundial de Aleitamento Materno. Neste ano a WABA, entidade promotora do evento em âmbito mundial, propõe um desafio aos profissionais de saúde: relacionar as comemorações da Semana Mundial da Amamentação aos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) que os governos ao redor do mundo se comprometeram a alcançar até 2030.

“Os ODS foram criados a partir dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM) e cobrem uma gama de questões sobre ecologia, economia e equidade. Os novos ODS combatem as causas da pobreza e oferecem uma visão de desenvolvimento que pode funcionar para todas as pessoas em todos os lugares. Assim, desta vez, a Semana Mundial de Aleitamento Materno 2016 propõe reflexões para alcançarmos o desenvolvimento sustentável através da promoção, da proteção e do apoio ao aleitamento materno”, afirma o pediatra Moises Chencinski (CRM-SP 36.349), presidente do Departamento Científico de Aleitamento Materno da Sociedade de Pediatria de São Paulo.

Dentre os objetivos da Semana Mundial de Aleitamento Materno 2016 destacam-se:

  • Informar as pessoas sobre os novos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) e como eles se relacionam com o aleitamento materno e a Estratégia Global para a Alimentação de Lactentes e Criança de Primeira Infância;
  • Ancorar firme o aleitamento materno como um componente essencial para o desenvolvimento sustentável;
  • Estimular uma variedade de ações quanto ao aleitamento materno e alimentação infantil em todos os níveis, na nova era dos ODS;
  • Envolver e colaborar com uma ampla gama de atores em torno da promoção, proteção e apoio ao aleitamento materno.

Segundo Moises Chencinski, “além das tradicionais ações voltadas para as mães e dos mamaços, uma ação voltada para os profissionais de saúde se mostrava muito necessária. Assim, reunimos membros da Sociedade de Pediatria de São Paulo, da Secretaria Estadual da Saúde de São Paulo, da Secretaria  Municipal da Saúde  e da Rede Paulista de Bancos de Leite  Humano, para realizar, no dia 03 de agosto, a capacitação Amamentação e Sustentabilidade, voltada aos profissionais de Saúde que assistem mães e bebês  em  maternidades, unidades de atenção básica, ambulatórios e clínicas privadas”, informa o médico.

Programação

PROGRAMA

08:30 – 09:00 Recepção
09:00 – 09:30 Abertura

Dr. David Uip – Secretario Estadual da Saúde

Dr. Alexandre Padilha- Secretario Municipal da Saúde

Dr. Claudio Barsanti – Presidente da SPSP

Dr. Yechiel Moises Chencinski – Presidente do Departamento Científico de Aleitamento Materno da SPSP

Roberta Ricardes – ATSCAM/SES

Dra Athenê Maria Mauro- ATSCAM/SMS

09:30 – 11:30 MESA REDONDA – Amamentação: uma chave para o desenvolvimento sustentável.

Coordenação: Dr. Hamilton Robledo

Secretária: Dra. Ana Maria Calaza Prigenzi

Palestras:

Sustentabilidade – Dr. Yechiel Moises Chencinski

 Amamentação e a Sustentabilidade – Dra. Keiko M. Teruya

11:30 – 12:00 Debate
11h45 – 12h00 Encerramento

SERVIÇO: 

AMAMENTAÇÃO E SUSTENTABILIDADE

Realização e Organização: Departamento Científico de Aleitamento Materno da SPSP

Apoio: Secretaria Estadual da Saúde de São Paulo,  Secretaria  Municipal da Saúde  e  Rede Paulista de Bancos de Leite  Humano

Data: 03/08/2016

Horario: 9:00 às 12:00

Local: Secretaria Estadual da Saúde – Auditório Luis Mussolino

Endereço: Rua Arnaldo, nº 351, Térreo , São Paulo – SP

 

Vamos abrir a Semana Mundial de Aleitamento Materno com uma exposição em homenagem ao ato de amamentar?

Este slideshow necessita de JavaScript.

A Estação Luz da Linha 4-Amarela de metrô recebe, de 1º a 31 de agosto, a exposição de fotos “Amamentar é…”, celebrando a 25ª Semana Mundial de Aleitamento Materno. As idealizadoras da exposição são a blogueira Priscila Kotzent, editora do Portal Mundo Mommy,  e a fotógrafa Lidi Lopez.

“Tive a iniciativa de convidar a Lidi, em 2015, para registrar fotos lúdicas de mães amamentando e, com isso, mostrar a beleza desse ato. O resultado acabou superando nossas expectativas, então vamos fazer uma nova exposição neste ano”, conta Priscila. O objetivo da exposição é quebrar o tabu de que amamentar em local público é feio e incômodo.

“O mote da campanha em 2016 é Presente Saudável, Futuro Sustentável. Aleitamento Materno, acolhimento, aconchego, alojamento conjunto, amor, bancos de Leite, contato pele-a-pele, doação, estímulo, família, garra, humildade, informação, juntos, know-how, livre-demanda, método Canguru, NBCAL, orgulho, pureza, qualidade de vida, responsabilidade, superação, tudo, união, vida, xodó, Yin-Yang e zen. Poderíamos rodar o alfabeto inúmeras vezes, e ainda assim não conseguiríamos colocar em palavras a importância e a relevância do aleitamento materno. É uma grande satisfação para nós, pediatras do Departamento Científico de Aleitamento Materno da Sociedade de Pediatria de São Paulo (DCAM-SPSP), fazer parte dessa iniciativa da Priscila Kotzent e da fotógrafa Lidi Lopez. As frases que estão nas fotos são nossa pequena colaboração para que essa ação, em prol do aleitamento, tenha vida longa e seja reproduzida por muitas e muitas mães para que possamos inundar o país de leite materno”, declara Moises Chencinski, presidente do DCAM-SPSP.

Serviço:
Exposição “Amamentar é”

Local: Estação Luz, da Linha 4-Amarela de metrô

Data: de 01 a 31 de agosto

Cidade: São Paulo