Casos em que as mães não podem amamentar – parte 02

breast-feeding-ftr

Tuberculose

Mães com tuberculose podem amamentar se estiverem tomando a medicação apropriada para tratar a doença. Mães com tuberculose não tratada, no momento do parto, não devem amamentar ou entrar em contato direto com seus recém-nascidos até que comecem o tratamento medicamentoso adequado e que não estejam na fase infecciosa da doença.

Na maioria dos casos, elas poderão amamentar de maneira segura duas semanas depois de iniciar o tratamento adequado e após a liberação do médico para tanto. Estas mães podem começar a bombear seu leite logo após o parto para oferecê-lo ao bebê até que possam amamentar diretamente. Se a mãe já teve um teste cutâneo positivo para tuberculose, mas um raio X normal, ela deve conversar com seu médico para ver se precisa ser tratada com medicação e se poderá amamentar nestas circunstâncias.

Câncer de mama

Se a mãe foi diagnosticada com câncer de mama no passado e foi tratada, ela pode estar preocupada com os efeitos do aleitamento materno sobre o bebê e sobre o próprio organismo.

Câncer de mama anterior não significa que a mãe não possa amamentar seu bebê. Se a mãe se submeteu a uma mastectomia, ela pode amamentar o bebê com a mama restante. Se a mãe já teve um tumor removido do peito ou se submeteu a tratamentos de radioterapia, ainda assim ela poderá amamentar. É muito comum que essas mulheres considerem sua produção de leite pequena, no entanto, é recomendável discutir as opções de amamentação com o médico.

Cirurgias plásticas

No passado, havia muita preocupação sobre a segurança da amamentação após o implante mamário de próteses de silicone. Hoje, sabemos que não há nenhuma evidência científica de que os implantes mamários de silicone possam prejudicar a amamentação.

Na maioria dos casos, a cirurgia plástica para aumentar os seios não interfere significativamente com a capacidade de amamentar, desde que os mamilos não tenham sido removidos e/ou que os ductos tenham sido cortados. Em alguns casos de aumento de mamas, as mulheres podem apresentar tecido mamário subdesenvolvido. Nestes casos, a relativa falta de tecido glandular da mama pode interferir na produção adequada de leite materno. Com qualquer cirurgia de mama anterior, o bebê terá de ser monitorado cuidadosamente para ter certeza de que ele está recebendo leite suficiente.

A cirurgia para reduzir o tamanho dos seios (redução de mama) apresenta mais chances de interferir na amamentação, especialmente se os bocais foram reposicionados durante o decurso da cirurgia, resultando no corte total dos canais de leite ou nervos. Muitas mulheres que fizeram este tipo de cirurgia de mama são capazes de amamentar. Quanto mais tempo se passar após a cirurgia, mais probabilidades que o aleitamento materno, ou pelo menos a amamentação parcial, seja bem sucedido.

Se a mãe já passou por qualquer procedimento cirúrgico na mama, até mesmo uma biópsia, deve revelar o fato ao obstetra e ao pediatra, visando assegurar que o bebê receba leite materno suficiente.

Doenças rotineiras

Mesmo as mães mais saudáveis, por vezes, ficam doentes. Se a mãe está temporariamente impedida pelo médico de amamentar por causa de uma doença grave ou enquanto estiver tomando certos medicamentos, ela deve manter sua produção de leite, retirando-o com uma bomba manual ou com uma bomba elétrica. Obviamente, este processo não se equipara à experiência da amamentação real, mas ainda assim é melhor que o bebê receba o leite de sua mãe do que leite doado por outrem ou fórmulas.

Qualquer que seja a doença rotineira da mãe é importante lembrar que ela não vai durar muito tempo e que a amamentação pode continuar por meses ou anos. Usando uma bomba para manter a produção de leite, a mulher pode garantir uma relação de amamentação contínua com seu filho depois de se recuperar e por um longo tempo. Felizmente, doenças mais graves são raras e infecções simples mais comuns raramente interferem na capacidade de amamentar da mulher.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s